Fortaleza

Raimundo Fagner

Praia de Canoa Quebrada, barco a velaVelas brancas do mar vão surgindo
Com as primeiras estrelas do céu
Onde o verde da tarde é mais lindo
E o azul só precisa de Deus

Se essa cidade é meu mundo
Mucuripe, jamais foste meu
Me envolveu teu encanto profundo
Qual jangada que o vento esqueceu
Mas quando eu canto a beleza
Que ainda iremos fazer
Sem desprezar a riqueza
Fortaleza, eu só penso em você

Eu só quero dizer
Que a cidade é a luz
Que ilumina os meninos risonhos
Além da imaginação
Te levo em meu coração

(“Fortaleza”, de Raimundo Fagner e Fausto Nilo, gravada por Fagner no CD “Fortaleza”, em 2007)

Fortaleza é uma matriz ainda novinha de cara moderna, uma história leve e um povo amistoso e receptivo. O ritmo de seu crescimento urbano é considerado um fenômeno pela rapidez de desenvolvimento físico que apresentou nos últimos 50 anos. Tinha cerca de 350 mil habitantes. Hoje são 2,5 milhões entre a orla ao norte e as serras ao sul.

Cidade irmã de uma região semiárida com escassas oportunidades, Fortaleza gerou um tipo de inteligência especial e criatividade ímpar na cultura de seu povo. Quem chega à cidade se beneficia das comodidades típicas de qualquer cidade ocidental moderna, usufrui da paisagem da orla, da urbanização mais qualificada, da vida nos arranha-céus, dos hotéis de padrão internacional, dos shopping centers, dos equipamentos públicos dedicados ao lazer e à cultura em geral.

Cada vez mais oferece aos visitantes a gastronomia típica das comidas de jangadeiros, tendo os peixes e frutos do mar como base, além dos frutos daquela cozinha decorrente da prática andarilha dos comboieiros de gado do sertão. Aos inúmeros restaurantes hoje existentes juntam-se ainda aqueles criados por migrantes do Sudeste, servindo a comida internacional de qualidade para quem a prefere.

A praia é, sem dúvida, o grande atrativo da cidade, embora o velho centro histórico, com projeto de reabilitação, atraia os visitantes curiosos por história urbana.”

A praia é, sem dúvida, o grande atrativo da cidade, embora o velho centro histórico, com projeto de reabilitação, atraia os visitantes curiosos por história urbana. O centro mantém ainda seus mercados, seus monumentos, seus centros para compras de artesanato e lojas especializadas em outros produtos da criação popular.

Uma exuberante e caprichosa estrutura de metal vinda da Escócia originou o Teatro José de Alencar, inaugurado em 1910. O coração popular da cidade pulsa na Praça do Ferreira. É lá que está o Cine São Luiz, colosso da arquitetura dos antigos cinemas de rua, que será preservado por projeto estadual. Na periferia do centro, à altura da zona de encontro dos bairros da Praia de Iracema e da Prainha, pode ser visitado o Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, surpreendente foco convergente de pessoas com diversidade social e etária.

O Dragão oferece exposições de arte, cinemas, teatro e cafés e convive em harmonia com a vizinhança da ruína da Ponte Metálica (um píer de concreto armado executado no século XIX, instalado na orla central para funcionar como o primeiro porto comercial da cidade, hoje desativado).

Ponte dos InglesesBem próxima está a Ponte dos Ingleses, reabilitada e adaptada para servir ao uso daqueles em busca do pôr do sol, considerado um dos mais belos de que o Brasil tem conhecimento. Na Praia de Iracema, se concentram alguns dos lugares da chamada produção da indústria criativa, incluindo os museus, agências de publicidade, estações de tevê, estúdios, teatros alternativos e o notável comércio artesanal da Avenida Monsenhor Tabosa, tudo a pouca distância do Mercado Central, onde se encontra o melhor dos produtos artesanais e da arte popular da região.

À noite, as multidões se divertem até alta madrugada e aí se abre o grande leque de opções: os shows de humor, característica do povo cearense, cuja programação se encontra espalhada pela cidade; os bailes populares dominados pelo forró, onde inúmeras bandas fazem sua fama (um de seus exemplares mais conhecidos é o Pirata, localizado na Praia de Iracema, zona boêmia da antiga região pericentral), e o infindável número de barzinhos, com música ao vivo, onde os cantores apresentam repertório variado.

Praia de MucuripeO parque da orla da Avenida Beira Mar oferece facilidades para caminhada, e é aí que o espaço é disputado por milhares de caminhantes em exercícios, vendedores ambulantes, artistas de rua e uma feirinha de artesanato. A parte mais leste desta zona linear de atrativos é a vizinhança do porto da cidade, que é conhecida como o bairro do Mucuripe. Essa zona de grande importância histórica e paisagem marcante inspirou a canção “Mucuripe”, que compus em parceria com Belchior.

O Mucuripe é um antigo bairro de pescadores jangadeiros onde um dia, no pós-guerra, o cineasta americano Orson Welles filmou uma história inacabada, estrelada pelos próprios nativos e recentemente distribuída comercialmente com o título de “Tudo é verdade”. Daí também saíram, mais de uma vez, os heróis jangadeiros em ousadas viagens marítimas a desafiar, com sua leve embarcação, o grande Atlântico, com destino ao Rio de janeiro e à Argentina, fatos que ficaram notáveis no Brasil da época. Isso resume o espaço e o espírito de Fortaleza, a jovem metrópole brasileira que abriga o povo mais festivo, hospitaleiro, trabalhador e bem-humorado entre os brasileiros em geral.

********

Segundo historiadores, três meses antes de Cabral descobrir o Brasil, as expedições de Vicente Pinzón e de Diogo Lepe desembarcaram no litoral cearense. Uma em Icapuí e a outra na Barra do Ceará, em Fortaleza. Tais descobrimentos não foram reconhecidos por causa do Tratado de Tordesilhas. E daí começa a história das praias cearenses.

Segundo historiadores, três meses antes de Cabral descobrir o Brasil, as expedições de Vicente Pinzón e de Diogo Lepe desembarcaram no litoral cearense.”

No Ceará, de Icapuí à Barroquinha, derramam-se as praias do sol nascente e do sol poente. De um extremo a outro, feito bola de futebol, o sol cruza a grande área do litoral cearense, iluminando suas praias – paisagens sonhadas, desenhadas, pintadas e cantadas por Deus!

Entre várias, seja Canoa Quebrada, Jericoacoara ou Praia das Fontes, de tantas inspirações, os ventos formam dunas e bordam falésias, enquanto o nosso verde mar descreve ondas em pautas musicais. São o canto e o encanto da natureza ao encontro da arte do lugar!

Sobre o autor

Raimundo Fagner é músico e compositor. Autor dos discos Manera Fru Fru manera, Orós, Traduzir-se, Eu canto (Quem viver chorará), Uma canção no rádio, entre outros.

  • Este site é muito bem prepado. Estou indo pra Fortaleza e ver este site me deu vontade de ir logo pra conhecer essas maravilhas que vi aqui. Adoro Fagner esse artista da terra.

  • amparo

    Fortaleza e a capital ideal para ecediar varios jogos da copa do mundo e juntos vamos ajudar a construir a nossa Fortaleza bela.

  • Aldizio Filho

    Imagens muito bonitas porém a última mostra a foz do Rio Pacoti e não a Praia do Futuro

  • jijel el tourisme de khladarkom…..